O nióbio, você sabe o que é?

O Nióbio é um mineral raro e estratégico. Um bem mineral nacional, desprezado pela cúpula brasileira. O Brasil é o seu maior exportador mundial, detém o total de 98% das exportações mundiais e possui 90% da reserva do mineral em todo planeta.

                O nióbio é um mineral sólido, descoberto em 1801  por  Charles Hatchett. Foi, primeiramente, denominado de Columbo e, posteriormente, de Nióbio, nome derivado da deusa Niobía, filha do deus Tântalo com a princesa Diana. Tântalo, pai de Nióbia, também deu o nome a um elemento da tabela Periódica, o Tântalo, com propriedades semelhantes às do Nióbio. Onde houver Nióbio, sempre, ocorre a presença do minério de Tântalo. O Nióbio é um elemento de transição, pertencente ao grupo 5, cujo símbolo é Nb, de numero atômico 41 e massa  92,9. É um metal sólido, dúctil, de cor cinza brilhante que, em contato com o oxigênio do ar toma uma coloração azul claro.

                Para que se possa entender a importância desse metal rato e considerado  estratégico basta saber que a principal aplicação do nióbio dá-se nos chamados aços de baixa liga e alta resistência(HSLA). A liga de ferro-nióbio, obtida através do processo denominado de  aluminoterapia é um importante insumo empregado na obtenção de alguns tipos de aço, como os microligados e inoxidáveis, com aplicação na industria de construção pesada, equipamentos médicos como próteses e componentes para aparelhos de ressonância magnética nuclear, automotiva facilitando o uso de soldagem na estrutura dos automóveis, na fabricação de grandes tubulações de gasodutos, aquedutos e oleodutos, ferragens de alta precisão, soldas elétricas, industria nucleares para a captura de nêutrons, componentes de motores a jato, espacial como nos subconjuntos de foguetes espaciais, equipamentos que são submetidos a alto aquecimento. Para a obtenção da liga de nióbio na formação do aço é necessário o uso de, apenas,  400g de NbFe para cada tonelada do aço. Essa pequena adição de nióbio confere ao aço características de alta resistência mecânica, tenacidade e soldabilidade. A capacidade de neutralizar o efeito do carbono e do nitrogênio, eliminando o risco de deteriorização do produto por corrosão, dá ao nióbio sua grande importância como antioxidante.  A liga formada por este metal é capaz de suportar a ação de ácidos extremamente agressivos e corrosivos como os naftênicos.

As principais reservas minerais estão localizadas nos municípios de Itambé (BA), Itapuã do Oeste (RO), Catalão e Ouvidor (GO), Araxá e Tapira (MG),  Presidente Figueiredo e São Gabriel da Cachoeira (AM).  O minério também pode ser encontrado no nordeste de Roraima, na terra indígena Raposa Serra do Sol. Conforme o ministério, não há informações sobre novas minas que passarão a produzir. A maior mina em operação atualmente é a de Araxá com 61% da produção total e cuja detentora principal é a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), que processa, fabrica e vende  75% do nióbio usado em todo o mundo. Desde os anos 1950, quando foi criada, a CBMM era controlada pelo grupo Moreira Salles – uma rede de empresas com participação do capital estrangeiro –, que controlava o Unibanco, incorporado em 2008 pelo Itaú. Nos últimos anos, porém, 15% das ações da companhia foram vendidas para chineses, japoneses e coreanos, grandes consumidores de nióbio, que assim deixaram para trás o risco de depender de um único fornecedor. As outras jazidas principais são: Catalão (GO) com 21% cujos detentores são o Grupo Moreira Sales e o grupo da Multinacional Molycorp e, finalmente, a jazida de São Miguel da Cachoeira (AM) 12% detentora de outras firmas.Os minérios de nióbio acumulados no "Carbonatito dos Seis Lagos" (AM), somados às reservas medidas e indicadas de Goiás, Minas Gerais e do próprio estado do Amazonas, passariam a representar 99,4% das reservas mundiais,  dados obtidos do artigo AMEAÇAS DA NOSSA RESERVA, escrito por Adir Tavares na Rede Brasil Atual.

Em 06/03/2011 em matéria produzida por Nelson Townes e publicada no portalwww.noticiaro.com., o governador de Rondônia de Rondônia, o médico Confúcio Moura, ficou meditando sobre o interesse da China por este Estado da Amazônia. As primeiras delegações estrangeiras que ele recebeu na Capital, Porto Velho, após tomar posse como novo governador foram de chineses.  Primeiro veio um grupo de empresários , logo seguidos pela visita do próprio embaixador da China no Brasil,  Qiuiu Xiaoqi e da embaixatriz Liu Min. Tudo isto ocorreu depois da divulgação do Nióbio em Rondonia que estão localizadas na Floresta Nacional (Flona) do Jamari, por onde o governo petista de Lula começou a “vender”  a Amazônia para particulares (são concessões com prazo de 60 anos.), escreveu Nelson.

Como podemos ver, aos poucos, os estrangeiros vão tentando se apossar desse tão importante minério atingindo em cheio nossa soberania nacional. Em 1977, no Governo de Fernando Henrique, a mina de São Gabriel, a maior delas, esteve para ser vendida por R$ 600.000,00. Ela é uma reserva tão grande e importante que é capaz de abastecer todo o consumo mundial por mais de mil anos.

Considerando dados do DNPM para o ano de 1988, portanto, de 25 anos atrás, os países que apresentavam reservas de Nióbio (Pirocloro, Nb2O5) eram: Canadá, Nigèria, Congo, Zimbawe e outros países em menor escala. Mesmo sendo o Brasil o líder mundial de reservas de nióbio e principal exportador do produto, não demonstrou, até agora,  interesse em  liderar o valor do preço de venda no âmbito mundial, tal é o descaso do governo. O nióbio, portanto, é um minério essencialmente nacional, brasileiro, mas  quem fixa os preços é a "London Metal Exchange - LME", de Londres. Deste modo, a LME fixa, para exportação, preços mais baixos do que os cobrados nas jazidas. Urge, portanto, a necessidade de se tomar uma atitude drástica com relação a isto. Seria necessário a criação de uma instituição governamental, “ nos moldes da OPEP, com o poder de determinar os preços de comercialização de todos os produtos que contenham Nióbio.”, palavras do contra-almirante reformado Roberto Gama e Silva, sugeriu, na condição de presidente do Partido Nacionalista Democrático (PND), que gerasse quotas destinadas à exportação desse material.

Surpreende o fato de que, mesmo diante de um problema tão importante, nenhum político, nem no Congresso, nem no Senado, subiu à tribuna  para pedir providências sobre o assunto: Nióbio. Com excessão do ex-candidato à Presidência da República, o médico Eneas, que numa entrevista, onde falou sobre reservas Indígenas, ONG’s e Nióbio, disse: “ Toda industria de alta tecnologia é altamente dependente do nióbio. Não tem turbina de avião,não tem turbina de termoelétrica, não tem oleoduto, se não tiver nióbio.”                Talvez, por atingir interesses de grandes grupos  espalhou-se a idéia de que ele era louco... Não seria nossa inércia a maior prova da nossa loucura provocada pela incompetência e o descaso?

Devido ao fato de que existem outros metais como: o vanádio, o tântalo, o molibdênio, o titânio e o tugstênio que isoladamente ou combinados podem gerar ligas com características próximas e possíveis de substituir as do nióbio, pode ocorrer uma ameaça ao uso do metal. Mesmo assim, ele é considerado o metal do futuro.