"SIFEP" em risco de fechar!

Sindicato dos Patronais respeitem nossa CCT.

Sindicato dos Patronais respeitem nossa CCT.

  • 57630 Atendimentos
  • 45 Acordos
  • 1125 Farmacêutico Felizes
  • 1 Honrarias

Pense nisso

Há quase meio século servindo o Farmacêutico.

Acredita-se ser este o momento para fazer uma reflexão da origem dessa Entidade. Para isso, temos que retroceder no tempo e no espaço para reviver a fase embrionária, os sucessos e insucessos por onde passaram as diretorias anteriores da extinta Associação Profissional dos Farmacêuticos da Paraíba – APFP, que deixaria de existir para dar origem ao atual Sindicato dos Farmacêuticos do Estado da Paraíba - SIFEP.

O Início de Tudo

O Início de Tudo

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

1

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

2

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

3

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

4

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

5

Tudo começou numa tarde, precisamente, às 15 horas do dia 22 de junho de 1967

6

Visite o seu Sindicato e entenda como funcionamos

Será Que somos importantes?

Serviços advocatícios

Advogado Plantonista que esclarece suas Dúvidas Legais.

Homologações Profissional

Onde o Farmacêutico(a),sempre bem assistidos nas Questões trabalhistas.

Atendimento Profissional

Estamos abertos durante o horário comercial, a fim de lutar pelos seus direitos.

Será Que somos importantes?

Saibam o que eles pensam..

Depoimentos

O sindicato é uma entidade representativa, e o que a deixa forte é a união de seus representados, que no caso do Sifep,somos nós Farmacêuticos. Sem participação, não existe sindicato, não existe força. Gilmario Carvalho- Farmaceutico

Gilmario Carvalho, Farmacêutico
Author Avatar

É muito importante mantermos o nosso sindicato, o Sifep, em pleno funcionamento para, juntamente com nós Farmacêuticos e o nosso CRF, possamos tornar nossa profissão mais valorizada e lutarmos por nossas futuras conquistas e melhorias. Por isso, peço a todos os colegas farmacêuticos paraibanos e brasileiros que procurem o seu sindicato e se sindicalizem.

Gideão Ferreira, Farmacêutico
Author Avatar

"O trabalhador sustentou não ser sindicalizado e, por isso, negou-se a contribuir para a entidade sindical. A despeito disso, não menos certo é que as entidades sindicais devem ser valorizadas, e precisam da participação dos trabalhadores da categoria (inclusive financeira), a fim de se manterem fortes e aptas a defenderem os interesses comuns", defendeu o juiz. A sentença proferida é referente ao processo nº 01619-2009-030-00-9, item 6

Eduardo Rockenbach Pires, Juiz da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo
Author Avatar

Sempre devemos estar unidos, e o SIFEP, nosso sindicato

Antonino Parisi, Farmacêutico
Author Avatar

Como tudo isso nos afeta...

Reforma Trabalhista..

Nas Negociações trabalhistas vale o negociado pelo legislado, mesmo o negociado sendo prejudicial ao trabalhador. Atualmente a CLT só permite que as negociações favoreçam o trabalhador.
Estabelece a representação no local de trabalho independente do sindicato. Na prática, a comissão extingue o monopólio da representação dos trabalhadores pelo sindicato, previsto na CLT e na Constituição Federal.
Extingue o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho sobre a ultratividade dos instrumentos normativos de trabalho (Súmula 277)
isso mesmo, Impõe multa ao “litigante de má-fé”, o que pode prejudicar o recurso à justiça para garantia de direito sonegado, em especial quando o valor da causa for alto
Impõe custas judiciais ao trabalhador que faltar à audiência, mas concede mais garantias ao empregador, caso ele falte
A terceirização corresponde à transferência de um determinado serviço à outra empresa
Terceirização da atividade fim sancionada pela Lei 13.429/2017, garante ao empregador no decorrer de 18 meses a contar da sanção da Reforma, demitir o funcionário efetivo e recontrata-lo como Terceirizado. Todo contratado hoje nos Regimes de 20, 30 e 40hs podem ser sumariamente demitidos e recontratados para a jornada de 44, sem ganho salarial.

Não existirá mais convenção coletiva de trabalho.

Errado

Não existirá piso salarial; e Não há garantias de reajuste salarial

Existirá a possibilidade de aumento da carga horária para 44 horas ou mais . Pondo fim as tabelas de 20,30 e de 40 horas
Não será feita homologação de rescisão de trabalho. Para verificação do pagamento dos direitos. Hoje o Sindicato consegue reverter estes erros de rescisão e os padrões são obrigados a pagar o que é devidamente devido.
No contrato zero hora, o trabalhador fica à disposição 24 horas por dia. O valor a ser pago pode ser fixado de acordo com o horário que será trabalhado ou com o serviço que será feito
O movimento sindical precisa ficar atento em relação ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 218/16, que é de autoria do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). O projeto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para instituir o contrato de trabalho intermitente. Trata-se de uma grave ameaça às relações de trabalho no Brasil esta modalidade de contratação. O projeto é apelidado com o singelo e prosaico nome de “jornada flexível de trabalho”.
Há, ainda, sobre este tema, o PL 3.785/12, do deputado Laércio Oliveira (PR-SE). A matéria está em discussão na Comissão de Trabalho, anexada ao PL 4.132/12 (PLS 92/06), de autoria do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), cujo relator é o deputado Silvio Costa (PTdoB-PE). Para entender estes projetos de lei tomo emprestado a explicação de uma arguta professora, dirigente sindical em São Paulo, Silvia Barbara. Leiam: “Lia eu esta semana um periódico espanhol que noticiava a angústia de trabalhadores britânicos de Liverpool contratados no sistema ‘contratos de zero hora’. A coisa funciona assim: um empregador, que pode ser do ramo da produção, de bens ou de serviços, contrata um empregado por zero hora, sem valor de hora específica e sem vínculo empregatício. O empregado, por sua vez, na maioria dos casos, fica vinculado àquele contratante, de modo exclusivo. Pois bem, este trabalhador ou trabalhadora é chamado, em geral pelo telefone celular, sempre que o contratante necessita de seus préstimos. Assim, se, por exemplo, sou contratado por uma empresa de enlatados para trabalhar em uma determinada máquina, sou chamada por 4 horas, vou lá, trabalho por 4 horas, recebo minhas horas e aguardo a empresa me chamar novamente. Ela me chama por 8 horas, vou lá, faço às 8 horas, recebo por estas 8 horas e vou embora e aguardo a empresa me chamar e assim por diante. Se a empresa não quiser mais meus serviços simplesmente não me chamará mais, ou melhor, meu telefone celular não tocará. Pronto, termina a relação contratual: sem despedidas, sem indenizações, nem mesmo um obrigado ou um até logo. Uma empregada de uma empresa de biscoitos que não ouvia seu celular tocar a três dias já pressentia que havia perdido o posto. Classificou bem o novo modelo como nova escravidão do século 21. No contrato zero hora, o trabalhador fica à disposição 24 horas por dia. O valor a ser pago pode ser fixado de acordo com o horário que será trabalhado ou com o serviço que será feito. Muitos dos trabalhadores britânicos não são alocados em horas de trabalho que lhes garanta um nível razoável de vida e isso faz com que se submetam a contratos cada vez mais desvantajosos e lesivos.

Unidos somos mais fortes...

Como posso ajudar..

Filiação Anual

R$75 /por ano

Plano anual recorrente Todos os anos o sistema enviara um a cobranca para o seu email.

Cartão benefício titular

R$20 /por ano

Plano anual recorrente Todos os anos o sistema enviara um a Cobrança para o seu email.

Cartão Beneficio Dependente

R$15 /por ano

Plano anual recorrente Todos os anos o sistema enviara um a Cobrança para o seu email.
Podemos ajudar ?